Avaltheid

Noite na floresta Akavir

Terceira sessão

Depois da aventura noutra dimensão de Ilvastar, Iruviene e Grimnir, os 3 decidiram continuar a descansar ja que o Aamir e a Ayumi ainda estavam a descansar e nem se tinham apercebido do que tinha acontecido.

Depois do grupo todo ter acabado o seu breve descanso, continuaram a caminhada pela floresta a procura da Miranda.

Depois de mais uma hora a andar, o grupo avisto duas luzes um pouco mais a frente deles. Com alguma precaução, aproximaram se. Dois Orc encontravam-se a frente de duas fogueiras que iluminavam a entrada de uma gruta.

O grupo aproximou-se devagar e Grimnir comprometeu a sua posição ao tentar falar com os Orc mas nenhum deles respondeu e atacaram de imediato.

Durante a luta, Grimnir e Iruviene que eram os dois membros do grupo frente a frente com os Orc notaram que os olhos dos Orc estavam completamente pretos e vidrados, eles não apresentavam qualquer tipo de expressão facial e a sua linguagem corporal também não mostrava qualquer tipo de sentimento, seja de raiva ou medo, tudo indicava estarem possuídos.

Ao matar ambos os Orc, fumo preto saia do corpo deles e dissipava se no ar tal como tinha sucedido com os bligth com que o grupo luto mais cedo na mesma noite.

Antes de entrar Grimnir tento ver se existia alguma magia ou algum rasto dela. Os mesmos rastos em forma de fumo preto que tinha visto no farol encontravam aqui, dois paravam onde o corpo dos dois Orc estavam estendidos, 4 outros entravam dentro da caverna. O Ilvastar decidiu ver a sua volta se havia mais alguma pista e encontrou varias pegadas, dois pares onde estavam os Orcs mortos, 4 pares a entrar dentro da caverno e um ultimo par, mas que teria sido arrastado. Tudo indica que esses seriam os Orcs que raptaram a Miranda.

Depois da luta o grupo entro na caverna e mais a frente deles encontrava-se um Orc de costas o qual Ilvastar matou com uma seta que furou a cabeça do Orc deixando um enorme buraco no crânio da criatura. A seta continuo até espetar-se numa parede mais a frente que o grupo nem conseguia ver.

3 Orcs ouviram a seta a colidir contra a parede. Alarmados, procuraram a origem do barulho. O grupo rapidamente os mataram sem grande dificuldade.

Perante o grupo existia dois caminhos, um a esquerda e outro a direita donde emanava uma luz fraca.

O grupo decidiu ir investigar primeiro o caminho esquerdo.

Era um pequeno túnel sem saída, no seu fim, um circulo rúnico no chão emanava uma luz fraca roxa. Apos analisar o circulo, o grupo percebeu que se tratava de um circulo de teletransporte de um só sentido, mas não lhes foi possível definir se era a entrada ou a saída.

O Ilvastar extremamente cuidadoso primeiro atiro uma pedra dentro do circulo, nada aconteceu. Sendo possível o circulo penas funcionar para objetos biológicos, o Ilvastar retiro da sua bolsa o trofeu de um animal que tinha matado antes de conhecer o grupo e atiro-o para dentro do circulo, mas tal como a pedra, nada aconteceu. O grupo percebeu que o circulo de teletransporte a frente deles era uma saída e decidiram voltar para trás, mas antes de deixar esse túnel, a Ayumi deixo uma armadilha como precaução caso alguém saísse do circulo rúnico.

Foram então em direção ao caminho que sobrava donde emitia uma luz fraca. Ao se aproximar, ouviram uma voz potente e grave gritar:

-“NÃO… OROG NÃO QUER…”

O grupo procedeu, mas com mais cuidado, a frente deles um enorme Orog com um machado na mão, e com a outra a bater na sua própria cabeça. Ele gritou:

-“NÃO… OROG NÃO QUEROROG NÃO QUER MAGOAR…”

O grupo tento falar com a criatura e tentar perceber o que se passava. O Orog à os avistar grita:

-“OROG NÃO QUER MAGOARFUJAM ANTES SER TARDE DEMA……”

Antes do poder acabar as suas palavras o Orog fico catatónico, os olhos dele tornaram-se pretos e vidrados, a sua cara sem qualquer expressão, ele levantou o seu machado no ar e atacou o grupo que não teve qualquer escolha a não ser ripostar.

Depois de uma difícil luta, fumo preto também saiu do corpo do Orog ao morrer. Um fim triste e injusto para a pobre criatura que claramente não tinha qualquer intenção de atacar o grupo antes de ser possuída. Alguns membros do grupo ficaram afetados com o sucedido, principalmente a Iruviene, mas eles tinham que seguir.

Atras do corpo do Orog estava a Miranda, fraca, acorrentada a parede da gruta. O grupo depressa foi a libertar. Fraca e quase inconsciente a Mirando sussurra:

-"Obrigado por me salvar…, mas como… como sabiam que eu tinha sido raptada…, como sabiam que eu estava aqui?… "

Ao qual o grupo resumiu a historia de como o pai dela tinha chegado a cidade a gritar para ajudar a salvar a filha.

-“É.… é impossível… o meu pai… ele… ele matou o a minha frente…”

Sem mais força a Miranda desmaio.

O grupo percebeu que algo estava mal, que o homem que tinham conhecido, o Ortos, suposto pai da Miranda não eram quem dizia ser e que a cidade de Oaktown, onde o tinham deixado podia estar em perigo.

Antes de sair da gruta e voltar a Oaktown com a Miranda, a Ayumi foi rapidamente recuperar a armadilha que tinha deixado enquanto o grupo queimava os corpos dos orcs com a ajuda do Aamir. Eles sabiam que não podiam deixar quaisquer rastos da sua presença aqui, O grupo de Orcs vindo de Iz-hagul iria eventualmente encontrar o sitio e perceber que o grupo teria morto os seus, o que poderia por a paz em risco.

Isso feito, o grupo dirigiu-se em direção a saída quando ouviram um enorme rugido vindo de fora. Sem qualquer ideia do que poderia ser, o grupo sai fora.

No céu da noite, avistaram um enorme dragão, feito não de carne e osso, mas sim inteiramente de energia arcanica preta e verde. O dragão mergulhou em direção ao grupo, o impacto no chão atiro o grupo vários metros para trás. Ayumi e Iruviene levantaram-se e foram a correr em direção ao dragão. Sem qualquer aviso, a enorme criatura cuspiu um enorme cone de chamas pretas e verdes passando mesmo no meio dos dois, queimando instantaneamente o Grimnir e o Aamir que se encontravam mais atras. As chamas não eram naturais e mesmo dado a natureza do Aamir, ele morreu tal como o Grimnir. A Ayumi foi a seguinte quando o dragão lhe rasgou o torço com as suas garras. Com a outra pata, o dragão atirou com uma violente força a Iruviene contra uma parede da montanha matando-a com o impacto. O dragão finalmente chicoteou o Ilvastar com a sua cauda. Nos seus ultimos momentos de vida, Ilvastar ve o dragão a dissipar-se no ar, os seus olhos quase a fechar ele ve um homen ao aproximar-se.

“Hahahahaha tudo correu como planeado…”

Ouviu o Ilvastar no seu ultimo folego antes de morrer.

Comments

cedrik_hj

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.